domingo, 29 de março de 2015

BR 365

O amor é uma espécie de ônibus leito
com espaço para você esticar as pernas do coração.
Vive alertando os outros para os perigos da trombose,
mas não isenta ninguém dos outros riscos que na viagem se corre.

É uma rosa por cima da dureza do chão.
O intervalo no meio da canção.
A rima pop que termina o refrão.
O adjetivo carnal no meio da oração.

O amor é o desconto que a vida dá
ao correntista endividado do mês
que não tem medo de se hospedar.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Manifesto de Ano Novo

Se o ano novo é tempo de rever prioridades e metas traçadas, ainda mais importante seria estabelecer PRINCÍPIOS, afinal de contas a eles recorreremos sempre que precisarmos rever nossas rotas ao longo dos próximos 365 dias. Torná-los públicos é uma forma de dividi-los com mais alguém e aumentar meu compromisso com eles...

1-Conhecimento é poder. Só tem sentido se gerar liberdade, autonomia, empoderamento,  consciência crítica, auto-conhecimento e espírito de coletividade. Tratar informação como propriedade particular data de épocas medievais.
2-A beleza é um conceito em constante mutação. Não é à toa que a maioria das pessoas que mudaram o mundo nos últimos tempos estava totalmente fora dos atuais padrões.
3-Lugar de mulher é no lugar que ela desejar estar. Enquanto o machismo e o patriarcalismo estiverem arraigados na política e na cultura violentando, oprimindo e matando mulheres, o feminismo continuará sendo necessário.  
4 – Deus não é um sócio que fica assinando “cheques em branco” para todos os lados. Os significados mais profundos transcendem as tradições religiosas. A fé mais bonita é aquela vela acesa que não causa alardes, os joelhos dobrados também ensinam que a humildade é causa urgente e a misericórdia é o que mais nos aproxima do coração de Deus.
5 - O mundo é muito maior do que o instagram mostra e Mark Zuckerberg não nos conhece suficientemente para elencar os fatos mais marcantes do nosso ano. Se por um lado tudo é fotografável, por outro lado ninguém quer exibir tragédias coletivas ou individuais. Se o melhor das ambigüidades humanas não está nas redes sociais, recorramos, então, aos livros, aos filmes, à música e às artes plásticas.
6 – A biologia do corpo nem sempre respeita a ordem mandatória dos ciclos circadianos. Se a vida moderna nos trouxe males, também nos permitiu escolher rotinas e estilos de vida. Estranho é quem não admite que a ferramenta do corpo também precise descansar.
7- O pior mal é viver sem pensar. O piloto automático é a falsa promessa de um vôo sem turbulências. Apesar de a vida ser gratuita, ela exige que ninguém fique sem assumir o protagonismo do próprio volante.
8- Um mundo melhor passa necessariamente pela empatia. Nada pior do que fingir que a dor alheia não nos afeta. 

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Sobre setembros


O tempo tem uma espécie de soberania incontestável.
Em sua genética incalculável e natureza indomável,
age desafiando os ensimesmados herméticos
a contestar a própria previsibilidade matemática.

Sua tarefa existencial é ensinar que o ponteiro da balança
não acusa o peso que se carrega na alma
mesmo quando se paga caro por excesso de bagagem
ou se cansa da longa estrada no meio da travessia.

O tempo dita as regras que você segue sem perceber...
Fala alto, grita com você!
Seja com olhos marejados
ou com um sorriso no canto dos lábios,
esfrega verdades na sua cara.
Depois, te liga perguntando à quais constatações você chegou.

Cada dia uma menina tornada adulta.
Barco navegante ao léu, bússola no breu.
Desatino, destino solitário em que sentido for.
Terra firme à vista por tempo provisório, analógico corretor.
Réu pedindo indulto, cobertor.
Tiro que erra o alvo, por um triz.
Rosa de amor, saliente cicatriz.

A partir de hoje, se o tempo quiser me enganar,
vai ter que me encarar de frente
olhando no fundo dos meus olhos...


sábado, 2 de agosto de 2014

Nova gramática da Língua Portuguesa

A normativa do amor é outra.

A inconstância do sujeito é predicado

e a palavra objeto é proibida

porque tudo em quem ama é insubordinável.

Se até os pronomes são relativos,

por que nossos advérbios não podem variar?

Se todo dia a gente perde ponto em concordância

por que é tão difícil acertar a regência?

Só é feliz quem faz da vida mais que um verbo intransitivo.

Discurso direto com dois pontos, parágrafo, coragem e travessão.

Quem sabe da vida o amor não seja aposto da espera

e a inconcordância verbal a sintaxe dos corpos numa perfeita oração? 

domingo, 13 de julho de 2014

Campeonato pelo primeiro lugar no pódio dos piores do mundo

     É irremediável brigar contra o tédio. Não adianta marcar audiência de conciliação, ensaiar despedidas marcantes, enumerar argumentos convincentes e qualidades pessoais, bancar discursos articulados, fingir corpo esguio e autocontrole. Todas as pessoas, por mais decididas e bem resolvidas que aparentem ser, desmontam a pose quando se encaram verdadeiramente diante do espelho do banheiro.
     É preciso reconhecer que, por mais libertador que seja rolar escadaria abaixo, os joelhos esfolados não escondem a continência do viver. Reconfortante é concluir que a coleção de cicatrizes que carregamos no próprio corpo têm muito mais da nossa história de vida que qualquer luxuoso álbum de fotos.
     Toda a minha admiração aos esfolados, aos perdedores, aos que encerram o mês no vermelho, aos desiludidos, aos últimos da fila, aos perdidos na confusão da cidade grande dos sentimentos, aos que ficaram de fora da festa de encerramento fazendo companhia para a lua. A gente joga no mesmo time! E se falarem por aí que a gente não vai muito longe dentro do campeonato da vida concordaremos silenciosamente com um sorriso tímido daqueles que exteriorizam nos lábios uma espécie de clarão interior por sabermos muito bem que nem sempre no pódio estão as melhores histórias.